MENSAGEM PARA A APARIÇÃO DE MARIA, ROSA DA PAZ, TRANSMITIDA NA CIDADE DE TUSAYAN, GRAND CANYON DO COLORADO, ARIZONA, ESTADOS UNIDOS, À VIDENTE IRMÃ LUCÍA DE JESÚS

Desde o princípio da manifestação da vida, filhos Meus, no Pensamento mais puro e profundo de Deus, quando Ele gestava o Projeto desta humanidade, ali estava contemplada a existência dos povos originários; povos assim chamados não apenas porque deram origem às civilizações deste mundo, mas porque, desde a origem da vida, foram pensados por Deus para manter a união entre o Céu e a Terra, a união entre todos os Reinos da Natureza, a união entre a superfície do planeta e os mundos sutis.

Os povos originários são aqueles, filhos amados, pensados por Deus para ser os Porteiros dos mundos sublimes, das realidades superiores, onde o sagrado habita, onde os seres são convidados a retornar à sua Origem nas Fontes Celestiais.

É desta forma que, desde o início da humanidade e até os dias atuais, a Hierarquia Divina impulsiona os povos originários para que reencontrem sua pureza e retornem ao Propósito que Deus manifestou para as suas vidas no princípio.

Ao criar este planeta e cada ser desta Terra, portador de uma partícula da essência divina, seu Pai Celestial criou não apenas os Reinos, os elementos e o homem, fruto do barro consagrado por Seu Divino Sopro. Deus também criou realidades sutis, invisíveis aos olhos humanos que não buscam com sinceridade o sagrado em suas vidas.

Esses mundos sutis mantêm dentro do planeta o Propósito Divino. Neles se vive em comunhão com todos os tipos de vida; neles as dimensões se unem, e não há perigo, porque os que ali ingressam vivem puros de coração e de espírito, e apenas aspiram a cumprir a Vontade e o Propósito Divino.

Os que ingressam nesses mundos sutis, filhos Meus, já foram despojados de suas vontades pessoais e de sua condição humana de impurezas e de degeneração. Dessa forma, seus corações encontram o caminho para expressar a pureza e a unidade com o Divino.

Esses mundos sutis são resguardados pela natureza, por sua fortaleza, beleza e harmonia. E, no invisível de lagos, mares, desertos e montanhas, ocultam-se não apenas para sustentar o planeta, mas para que, através da grandeza da expressão da natureza, os que ali chegarem possam sentir que algo mais ali habita; que um sagrado mistério ali se oculta, e é como se o Céu ali estivesse mais próximo dos homens, e Deus pudesse expressar-Se.