Sábado, 16 de janeiro de 2016

Mensagens diárias
MENSAGEM DIÁRIA DE SÃO JOSÉ, TRANSMITIDA NO CENTRO MARIANO DE AURORA, À VIDENTE IRMàLUCÍA DE JESÚS​

Irmã Lucía de Jesús: Estávamos realizando uma tarefa gru­pal com todos os membros da Comunidade-Luz Fraternidade de Aurora, no Uruguai, onde vivemos, e concluímos a jor­nada de trabalho com a transmissão da mensagem diária de São José. Apesar de haver chegado de um campo de refugiados do Oriente Médio, São José nos transmitiu uma mensagem dirigida especialmente às Comunidades-Luz, mas que, como Ele mesmo nos explicou, pode servir para todos que se consi­deram servidores de Deus e consagrados ao Seu Plano. Que todos os que a lerem pratiquem estas palavras, adaptando-as à própria vida. Esse foi um pedido de São José.

A fraternidade é algo que deveria caracterizar este mundo, um atributo que todos os seres da Terra deveriam trazer em seu interior, para que se tornasse o ponto de partida para a vivência do Amor Crístico. Para dar a vida por seus amigos, primeiro vocês deverão aprender a ser fraternos.

Existem seres que conseguem ser fraternos pela natureza do próprio espírito, mas outros deverão fazer suar muito o ego em um árduo trabalho de transcendência dos próprios pareceres, vontades e necessidades; deverão viver uma verdadeira reno­vação no que chamam “prioridades” em suas vidas.

A prioridade dos seres humanos encarnados neste mundo deveria ser, em verdade, a vivência perfeita do Amor e da Unidade – uns com os outros, cada um com Deus e todos com Ele; tendo isso como única prioridade, tudo o mais deve­ria se adaptar.

Se vocês pensam que têm alguma necessidade maior do que viver a fraternidade e o amor, comecem desde já a meditar sobre a razão de suas vidas e o propósito de suas existências no mundo.

Busquem, por um instante, a razão pela qual se levantam todos os dias. Por que trabalham, estudam, comem, bebem, cons­troem casas, programam os seus dias, fazem planos? Qual é o verdadeiro sentido de tudo isso?

Vocês não devem pensar que a vida encerra o seu propósito na simples necessidade de se manterem vivos e cômodos neste mundo! Ou sim?

Se a alma não encontrar um propósito superior pelo qual se levantar todos os dias, ela vai perdendo o interesse pela vida.

Vocês devem fazer desta experiência na Terra um ato perma­nente de renovação, de transcendência, de superação, de liber­dade em Deus, para amar! Liberdade de si mesmos, para se doarem ao próximo sem limites nem restrições.

Todos pensam que vivem por um propósito superior; todos creem que estão no mundo para aprender o amor, mas quando estão diante do alimento na mesa, tratam de pegar pronta­mente o melhor para si. Se veem que o outro precisa de ajuda, fingem que não estão vendo. Se vão para alguma tarefa gru­pal, buscam logo aquela de que mais gostam ou aquela de que mais “necessitam”. Não será que existe outro irmão que pre­cisaria, mais do que vocês, colocar os pés na terra e cuidar de uma flor, enquanto vocês poderiam fazer alguma outra tarefa dentro de casa?

Aqueles que vivem nas comunidades sabem o que digo. Peço perdão aos que não compreenderão Minhas Palavras e Me tomo um tempo para instruir as almas, tão amadas por Deus, que decidiram entregar suas vidas ao cumprimento de Seus Planos e que devem refletir se realmente o estão fazendo.

Estas palavras servirão a todos que se consideram servidores do Plano e consagrados a Deus, porque devem levá-los para o próprio dia a dia e fazê-los meditar sobre si mesmos, nunca sobre o outro.

Então, pensem verdadeiramente: vocês estão aqui para servir ao Plano ou para viver a própria transformação e nada mais?

Desde que falamos em Cristos do Novo Tempo, algum de vocês já está trabalhando pela cristificação de outros ou pen­sam apenas na possibilidade de serem vocês mesmos estes ditos Cristos? Vocês devem perceber que, mesmo sendo isso um pro­pósito superior, estão pensando em si mesmos.

Se necessitam estar a sós e alguém necessita de sua presença, vocês fingirão que não o veem? Se querem dormir cedo e há outro que ainda não terminou seus afazeres, pensarão: “melhor um cansado do que dois”?

Queridos, falo-lhes como um pai, porque sei que suas almas querem crescer e devem fazê-lo. Os tempos de definição já não estão mais batendo à porta; eles entraram em suas casas e estão cobrando de todos uma vida verdadeiramente espiritual.

Se a humanidade não der um passo rumo à verdadeira fra­ternidade e ao amor, e seguir parcialmente entregue a Deus – quando se pode dizer que entregou algo – jamais se cumprirá o Plano, tal como o Senhor espera.

Deus silencia e procura encontrá-los na essência mais pro­funda de seus corações. Alguém O buscou? Vocês criaram condições para que seus irmãos possam fazê-lo?

Reflitam se o verdadeiro propósito de suas almas é a vida do espírito.

Querem construir uma ilha de salvação e de resgate? Então resgatem, enquanto há tempo, a própria vida espiritual.

Eu os amo e por isso lhes digo todas essas coisas. Que cada um as tome para si.

Seu pai e amigo,

São José Castíssimo