Segunda-feira, 13 de junho de 2016

Mensagens diárias
MENSAGEM DIARIA DE SÃO JOSÉ, TRANSMITIDA NA CIDADE DE SANTA FÉ, ARGENTINA, À VIDENTE IRMÃ LUCÍA DE JESÚS

Para que desperte o Espírito de Cristo em seus corações, devem buscá-Lo verdadeiramente e aprender com Ele, assim como Jesus, dia a dia, buscava o Pai e com Ele aprendia e crescia com perfeição.

Antes de agir, Jesus meditava e sentia em Seu Coração a melhor forma de fazer todas as coisas. Não havia superficialidades n’Ele. Não havia uma regra ou um sentido comum para as Suas ações. Ao lidar com cada criatura que encontrava em Seu caminho, Ele buscava em Deus o que ela necessitava e, assim, atuava sob leis que não são deste mundo.

As mentes humanas estão presas às regras deste planeta e se fecham diante do que chamam contradições, quando, Deus mesmo, filhos, para os seres humanos, é uma grande contra­dição, porque Ele ama as imperfeições dos seres e, por mais que muitos pareçam caminhar com velocidade em direção ao abismo, Ele nunca fecha as portas do Céu, na esperança de que, mesmo na última hora da perdição, as almas olhem para trás e se arrependam do caminho que tomaram, dando a si mesmas a oportunidade de retornar.

Será Deus uma contradição permanente, filhos, ou a mente humana é que está distante da Verdade e das Leis divinas?

Deus é justo, mas, ao mesmo tempo, aspira verter Sua Misericórdia e, diante do mínimo movimento do coração humano, entrega, mesmo para os indiferentes e infiéis, o melhor de Seu Reino.

Para chegar a ser um Cristo, devem amar a forma como o Pai age e imitá-Lo em tudo. Devem extirpar da consciência a busca permanente pelo erro alheio, para buscar em tudo a oportuni­dade de ser misericordioso.

Não lhes digo que deixarão de ser justos, porque a verdadeira Justiça, que não é a deste mundo, está dentro do Amor Divino e apenas desce à Terra quando os seres humanos escolhem aprender por seu intermédio.

Todo aprendizado de seus corações depende só de vocês mes­mos. Ainda que lhes pareça incoerente, seus caminhos são tra­çados por vocês, e mesmo Deus apenas os observa antes de agir.

A vida de cada um poderia ser mais simples se vocês tão somen­te se abrissem para se unir ao Pai.

Até hoje vocês não conhecem o poder da Graça e, por não clamarem por ela, perdem a oportunidade de viver o que con­sideram impossível e inalcançável. A Graça está nas mãos do Pai, pronta para ser vertida, mas a maioria dos seres escolhe viver em suas impossibilidades a transcender as leis humanas e viver neste mundo com todo o potencial que, em verdade, trazem em seu interior.

Muitos pensam que não alcançam a cristificação porque trazem cargas desta vida e de outras que não são capazes de supor­tar e feridas que ainda não puderam curar, e assim é, mas o poder da Graça dissolve o peso do passado e fecha as feridas do coração. Também a Misericórdia de Deus é o maior antídoto de cura para os enfermos de espírito, mas quem clama por ela? Quem crê no poder da Misericórdia Divina?

Filhos, o serviço de ser um Cristo equilibraria não só os erros do próprio passado, mas também de civilizações inteiras do universo, e é por esse motivo que vocês estão aqui, neste mun­do, neste tempo. É por este motivo que tudo está disponível para que alcancem essa meta, mas se o poder da fé não for maior que as limitações da mente, estarão sempre presos a si mesmos e às coisas deste mundo, sem que possam contemplar a Verdade e ser a Verdade mesma.

Creiam que é preciso ser muito forte para isso, porém mais força vocês usam para resistir ao amor do que para se render a ele e vivê-lo; mais força usam para se manter na própria von­tade do que para se render à Vontade de Deus; mais força usam para se manter na ilusão do que para descobrir a Verdade, por­que a Verdade já não se oculta para ninguém, apenas não a vê aquele que aperta os olhos para não a encontrar. Mais for­ça estão fazendo, filhos, para apertar nas mãos as rédeas da  própria vida, crendo-se controladores de si mesmos e de toda a existência.

Abram as mãos e deixem-se guiar. Abram o coração e percam o medo de amar. Reconheçam-se ignorantes e deixem-se per­mear pela Verdade. Reconheçam-se imperfeitos e não julguem as imperfeições do próximo.

Reconheçam-se também como filhos de Deus, criaturas com uma possibilidade única de se unirem ao Pai, e busquem-No, encontrem-No e vivam n’Ele. Procurem n’Ele as respostas, a forma de ser, de pensar, de sentir. Em humildade, digam: “Pai, aqui estou!”. E esperem por escutar a Sua resposta, dizendo: “Filho, vem a Mim!”

Sigam para os Seus Braços e, a partir dali, comecem a viver e descubram o que verdadeiramente é a Vida.

São José Castíssimo