Sábado, 14 de maio de 2016

Mensagens diárias
MENSAGEM DIÁRIA DE SÃO JOSÉ, TRANSMITIDA NO CENTRO MARIANO DE FIGUEIRA, À VIDENTE IRMàLUCÍA DE JESÚS

Filhos,

Os Reinos da Natureza estão perecendo a cada dia, e isso faz com que o espírito da Terra perca sua força, sua vida e sua capacidade de sustentar a evolução daqueles que vivem sobre ela.

A maioria dos seres humanos está adormecida para a verdadei­ra missão dos Reinos da Natureza e apenas pode compreender, quando muito, o seu papel material na sustentação da vida.

Todos compreendem que sem as árvores não poderiam respi­rar, que sem as águas não poderiam viver, que sem os animais não haveria equilíbrio no planeta, mas poucos compreendem que aqueles que não aprendem com o espírito das árvores não alcançam a elevação; aqueles que não vivem em si a pureza das águas jamais encontram a sua origem, jamais retornam ao Criador; e os que não aprendem com o amor e com a doação dos animais jamais desenvolverão em si o amor crístico e não poderão ser parte da concretização dos planos de Deus para esta raça.

 Isso que lhes digo é apenas um exemplo do que os Reinos repre­sentam para a vida humana e planetária. Sem os Reinos não haveria equilíbrio, não haveria evolução.

Os Reinos da Natureza oferecem ao homem todos os atributos necessários para cumprir sua missão: unir-se a Deus.

Os Reinos sempre levam à unidade com o Criador. Contemplem uma floresta, um rio, uma montanha, um cão, um cavalo e compreenderão o que lhes digo.

Com a ajuda dos Reinos, o homem alcançaria a unidade com o Pai e, vendo diante de si esse exemplo de união perfeita com Deus, os Reinos da Natureza seguiriam o mesmo caminho de Unidade e Amor. Seria uma entrega mútua para evoluirem.

Neste planeta, filhos, tudo foi criado para que vivessem o amor crístico. A vida existe em função da doação de todos e assim foi organizada para que a inclinação ao amor fosse natural em todo ser vivente. Mas o coração humano negou essa perfei­ção e esse amor, e não só escravizou e martirizou os Reinos da Natureza como também os seus semelhantes e, em decorrência desse desequilíbrio sem fim, até mesmo o Coração do Pai é ultrajado pelas ações de Suas criaturas.

Agora, filhos, é hora de equilibrar, é hora de aprender e viver todos aqueles princípios para os quais estiveram cegos por tanto tempo. Porque, apesar de que a transição do planeta e o des­censo da Justiça já não podem ser evitados, o estabelecimento da Nova Raça acontecerá por meio da expressão desses prin­cípios divinos e originais nos corações daqueles que disseram sim ao Plano Maior.

Por isso, hoje e todos os dias os impulsionarei ao amor pelos Reinos da Natureza, ao aprendizado com a essência de cada Reino e à doação por parte de todos, para colaborar com a evolução de seus irmãos menores.

Seu pai e instrutor,

São José Castíssimo