Buda

MENSAGEM PARA A APARIÇÃO DE MARIA, ROSA DA PAZ, TRANSMITIDA NA CIDADE DE SAN ESTEVE, MONTSERRAT, BARCELONA, ESPANHA, À VIDENTE IRMÃ LUCÍA DE JESUS

Eu venho como um novo Sol, para iluminar o mundo e retirá-lo das trevas.

Venho como parte do Santo Coração de Deus, para que Seu Nome seja conhecido e amado por todas as criaturas.

Venho para que a humanidade conheça a paz, proclame-a e a viva todos os dias de sua existência.

Venho em um tempo de guerras e conflitos, em que as nações começam a colapsar – uma a uma – pelas consequências de suas ações e de seus enganos; pelo engano e pela cegueira mundial, na qual os homens mentem uns para os outros e para si mesmos, mas nunca enganarão a Deus.

Venho a um mundo sem fraternidade e sem amor, no qual as nações estimulam guerras e conflitos umas às outras, para sobressair e usufruir do sofrimento e da carência dos que padecem essa ilusão.

Venho pelos inocentes que estão se perdendo neste jogo de forças humanas, sem compreender porque sofrem tanto, e que se perguntam onde está Deus para ampará-los.

Deus, filhos, contempla cada coração e a humanidade como um todo. Se os homens não Lhe abrem as portas, não clamam, não oram e não buscam a Paz, como poderá Ele chegar até os que mais necessitam e se sentem esquecidos, não só pela humanidade, mas também por seu Pai?

Venho por uma humanidade ignorante, que precisa compreender que o tempo das brincadeiras e da infantilidade espiritual já terminou, porque as consequências de suas ilusões se mostram na decadência das nações, das culturas, das religiões, das almas, dos Reinos da Natureza.

Venho pelos reinos, que não podem elevar o seu verbo diante dos homens, para pedir-lhes misericórdia e paz; para pedir o fim do sangue derramado na terra e nos oceanos; o fim do martírio das árvores, do desequilíbrio gerado nos minerais para que os homens adornem os seus corpos e fortaleçam suas ilusões.

Venho pela consciência de um planeta que é vivo, que sofre e padece com todos os inocentes – na natureza como na humanidade – e que não é escutado senão por Deus e pelo Universo, quando clama pela vida e pela evolução.

Venho hoje apelar, junto com Meus filhos, por um mundo com mais paz, para que cada um que Me escute construa essa paz em sua própria vida e dê testemunho de sua transformação com o exemplo e com a oração.

MENSAGEM DIÁRIA DE MARIA, ROSA DA PAZ, TRANSMITIDA NO CENTRO MARIANO DE AURORA, AO VIDENTE FREI ELÍAS DEL SAGRADO CORAZÓN

O código crístico celular

Queridos filhos,

Hoje lhes revelo e lhes ensino a importância do código crístico celular, que foi a sagrada e maior experiência de Amor de Cristo vista por todo o Universo.

Entendem-se por códigos crísticos todos os graus de amor, de perdão e de misericórdia alcançados por Jesus durante Sua Paixão e Morte.

A expressão viva e sublime deste código crístico se manifestou espiritualmente durante a flagelação e, a partir de então, este código de amor, que tudo compreende e tudo perdoa, foi aprofundando-se na consciência humana de Jesus.

Para chegar a dar esse passo, Meu Filho teve que encarnar em condições espirituais, cósmicas e humanas muito preparadas e especiais para a época. Na essência espiritual de Jesus, esse código crístico foi despertando à medida que o pequeno Menino crescia no seio da Sagrada Família.

E este mesmo código crístico foi se manifestando no nível celular desde o momento em que Meu pequeno Filho pregou pela primeira vez no templo. Foi nesse evento tão especial que a intervenção divina do Arcanjo Miguel se fez presente até que se cumprisse a santa profecia anunciada pelos profetas.

O código crístico encarnou em Jesus das esferas sublimes de consciência para poder ensinar ao mundo a verdadeira e única Lei do Amor-Sabedoria.

Na história da humanidade terrestre, o planeta, como Consciência-Mãe, sempre foi ajudado e os graus crísticos de Amor-Sabedoria também se manifestaram amplamente desde o momento da iluminação de Buda.

Assim, através compaixão divina, que é uma vertente do Raio do Amor-Sabedoria, a humanidade pôde compreender que os erros cometidos e todas as dívidas contraídas têm um caminho de libertação, que por meio da compaixão leva a consciência ao perdão.

O primeiro impulso espiritual da compaixão foi expresso pela consciência de Buda, que naquele tempo despertou profundamente para uma revelação do amor divino que a humanidade nunca na sua história havia conhecido.

Quisera, filhos, ressaltar que os santos essênios tiveram uma importante tarefa de nível espiritual e também no prolongamento desta corrente de Amor-Sabedoria e de compaixão de que a humanidade estava necessitando.

Onde está a ponte espiritual que une a época de Buda com a época de Jesus?

MENSAGEM DIÁRIA DE SÃO JOSÉ, TRANSMITIDA NO CENTRO MARIANO DE FIGUEIRA, MINAS GERAIS, BRASIL, À VIDENTE IRMÃ LUCÍA DE JESÚS

Do mais profundo Amor do Coração de Deus, provêm os homens. A humanidade é a Revelação do Amor do Pai, e ao longo dos séculos Ele lhes recorda isso, através das diferentes expressões de Sua Presença.

Deus lhes recordou o Seu Amor através dos patriarcas e dos profetas, por meio do Sopro de Seu Espírito, de Seu perdão e de Sua reconciliação com a consciência humana, através de Abraão e de Moisés.

Deus lhes recordou o Seu Amor através de Buda, que compreendeu que a humanidade era a expressão do mais profundo Amor do Pai e despertou em si a compaixão, como símbolo, da forma mais elevada que podia alcançar, de imitar esse Amor naquele tempo.

Buda buscava na verdadeira expressão da consciência humana o objeto do Amor de Deus e, buscando esta Verdade, encontrou não apenas a si mesmo, mas a própria Consciência Divina. Quando conheceu a verdade sobre si, Buda encontrou, dentro de si mesmo, a Deus.

A Revelação máxima de Deus foi através de Jesus, quando o Pai não apenas amou a humanidade, mas experimentou a humanidade e viveu a condição humana. Deus manifestou-Se em plenitude, despertando assim a plenitude do homem e revelando Sua semelhança com ele. Jesus é a manifestação da semelhança entre Deus e os homens. Ele é a nova e eterna aliança, a Revelação de Deus mesmo.

A semelhança com Deus é o Amor revelado em Cristo. Cristo é a aliança feita Vida. Deus pleno, criando o Homem pleno, e tudo isso só é possível através do Amor.

A partir de então, a Revelação já foi feita; a Verdade já foi desvelada e precisa apenas ser recordada e aprofundada na consciência humana.

Deus então recordou o Seu Amor a Maomé, para que ele recordasse esse Amor aos homens que se perdiam em sua época. E assim, ao longo de toda a evolução humana, o Pai vem recordando o Seu Amor aos Seus filhos.

O que chamamos de Revelações nestes tempos é o aprofundamento da Revelação primeira de Deus em Jesus. A verdade, filho, é única, e hoje ela é novamente trazida aos homens porque chegou o momento de aprofundarem ainda mais, não apenas na compreensão sobre ela, mas na experiência e vivência dela, porque nestes tempos o Pai aspira a retirar os véus de seus olhos e de seus corações para que, conhecendo-se a si mesmos, reconheçam a Deus em seu interior.

MENSAGEM DIÁRIA DE SÃO JOSÉ, TRANSMITIDA NO CENTRO MARIANO DE AURORA, À VIDENTE IRMàLUCÍA DE JESÚS​

Muitos se perguntam de onde partirá a unidade entre as diferentes culturas, religiões, raças e nações. Como unir tanta diversidade?

Poucos descobriram a potência do Amor de Deus e quase nenhum vive a verdade que é saber que, se um Deus tão infinito foi capaz de criar tanta diversidade, Ele se encontra em todas as coisas e também nas diferentes religiões por Ele inspiradas.

As criaturas estão dentro da consciência de Deus e Deus nelas, mas a ignorância que fechou os seus olhos não lhes permite ver que o Criador está ali, no profundo. E, assim, vivem uma ilusão, uma vida separada dEle, apenas pelo fato de não saberem que Ele é em tudo o que foi criado. Não O veem e não O sentem porque não se abriram para saber que Ele está no interior dos seres.

O Criador, em Sua possibilidade incomensurável de amar, ao longo da existência da humanidade, criou muitas religiões. Cada uma conduziria uma certa parte de Sua criação, mas – ao manterem viva a Sua Essência – todas levariam para um único fim.

Quando Maria diz que unirá, em Seu Imaculado Coração, as diferentes religiões, povos e raças, isso não significa que todos reconhecerão a pessoa de Maria como Mãe de Deus. Maria é a própria Unidade, pois o Seu manto ampara, em si, toda a Criação. Como unidade, Ela conduz as diferentes religiões ao Amor, que é o Princípio que expressa Seu Filho.

Muitos podem não reconhecer a pessoa de Cristo como o Caminho, a Verdade e a Vida, mas aqueles que creem no Amor e vivem no Amor estão em Cristo sem sabê-lo.

O Amor que expressa Cristo transcende a existência da pessoa de Jesus. A Unidade que expressa Maria transcende a pessoa mesma de Maria. Eles já não são parte material de uma Criação. Aqueles que provieram de um Espírito Único se manifestaram na Terra para construir um caminho, para expressar um arquétipo, para dar um exemplo vivo e, agora, nas diferentes escalas de evolução, seguiram dando exemplos e deixando Suas pegadas em todas as dimensões, para que inclusive os anjos seguissem os Seus passos.

Os princípios do Amor e da Unidade são possíveis de ser vividos por todas as religiões verdadeiras e, inclusive, por aqueles que não têm uma religião guiada por uma instituição, mas que, em seus corações, buscam religar-se com Deus todo o tempo, pelo Amor e pela Unidade. É assim que Cristo e Maria conduzem a humanidade.

Quem somos?

Associação Maria
Associação religiosa cristã e ecumênica que tem por finalidade difundir a mensagem universal de amor e de paz que Cristo Jesus, a Virgem Maria e São José transmitem aos monges da Ordem Graça Misericórdia, estimulando o crescimento espiritual através da oração e do serviço altruísta.

Contato

Mensageiros Divinos